Valores

Crianças aprendem a conviver com epilepsia


Epilepto, um amigo especial é uma história para crianças que precisam saber o que é epilepsia e do que se trata. As crianças aprendem a conviver com a epilepsia por meio dessa história, cheia de ilustrações e mensagens pensadas para que os mais pequenos entendam a epilepsia com mais facilidade.

Por meio do personagem Epilepto, protagonista de Epilepto, amigo especial, é desenvolvida uma história para salas de aula educativas, que visa mostrar como agir em caso de crise epiléptica e fazer com que crianças com epilepsia se integrem nas salas de aula em igualdade de condições .

O objetivo desta iniciativa educacional desenvolvida pela APEMSI (Associação Espanhola de Pessoas com Epilepsia Grave) é sensibilizar e dar informações sobre a epilepsia às crianças desde as mais pequenas, pois, embora não possamos curar a doença, podemos ajudá-las a aceitá-la.

A epilepsia infantil é uma doença que ainda está associada a um grande fardo de marginalização social, o que dificulta um mapa específico da sua real incidência nas sociedades, algo fundamental para a realização de iniciativas como esta em que estão envolvidas instituições, as médicas. comunidade e sociedade em geral. A missão dessa história e de sua distribuição nas salas de aula de todas as escolas é fornecer informações, desdramatizar os mitos relacionados à epilepsia e acabar com a necessidade de se esconder que ainda prevalece em muitas crianças com epilepsia.

A epilepsia é uma doença neurológica, um distúrbio cerebral que afeta os neurônios. Às vezes, eles transmitem sinais de maneira anormal, o que pode causar sensações, emoções e comportamentos estranhos, espasmos musculares e perda de consciência. Isso é conhecido como ataques epilépticos.

A epilepsia pode afetar pessoas de qualquer idade, sexo, raça, classe social ou país. Estima-se que no mundo existem 50 milhões de pessoas que sofrem de epilepsia e, embora se pense que é uma doença exclusivamente infantil (75 por cento dos afetados são crianças menores de 16 anos), também é frequente em pessoas mais velhas (15 em cada 1.000 pessoas com mais de 75 anos têm epilepsia).

Na Espanha, de acordo com as estatísticas disponíveis, estima-se que 400.000 pessoas sofrem de epilepsia hoje, e a cada ano 20.000 pessoas desenvolvem a doença pela primeira vez. A falta de conhecimento sobre a doença faz com que muitos pacientes com epilepsia sofram discriminação e estigma social. E, embora seja uma doença tão antiga quanto a humanidade, existe um grande desconhecimento sobre ela, por isso ainda hoje é considerada uma patologia "maldita".

SE VOCÊ QUER LER ESTA HISTÓRIA, CLIQUE AQUI.

Marisol New. editor

Você pode ler mais artigos semelhantes a Crianças aprendem a conviver com epilepsia, na categoria Transtornos Mentais no local.


Vídeo: Arthur - Inicio das Crises Convulsivas Epilepsia (Outubro 2021).