Valores

Diálogo em família


Como os pais podem se comunicar com seus filhos? Teoricamente parece fácil, mas na prática falar com as crianças é uma tarefa que se realiza desde a mais tenra idade. Existem pais que, na melhor das intenções, procuram criar um clima de diálogo com os filhos e procuram verbalizar absolutamente tudo.

Essa atitude pode facilmente levar os pais a se tornarem interrogadores ou pregadores, ou ambos. Desta forma, eles não estarão no caminho certo para o diálogo familiar. Ouvir, muitas vezes, é a forma mais recomendada.

O diálogo é um dos costumes que nunca se deve perder na família. Você tem que tentar encorajá-lo e promovê-lo todos os dias. O diálogo deve ser um hábito cotidiano de todos, pois privilegia valores importantes como a comunicação, a tolerância com os outros e a capacidade de admitir erros, etc.

Por meio do diálogo, pais e filhos têm a oportunidade de trocar experiências e aprendizados. nosso site nos oferece 4 dicas para melhorar a comunicação na família:

1. Aos pais que apenas verbalizam, os filhos acabam não ouvindo ou fogem com evasivas. Nestes casos, o diálogo se confunde com o monólogoe comunicação com o ensino. O silêncio é um elemento fundamental do diálogo. Dê ao outro tempo para entender o que foi dito e o que foi significado. Um diálogo é uma interação e, para que seja possível, é necessário que os silêncios permitam a intervenção de todos os participantes.

2. Juntos com o silêncio é a capacidade de ouvir. Há quem faça as suas apresentações e dê a sua opinião, sem ouvir os outros. Quando isso acontece, o interlocutor percebe o indiferença do outro para com elee acaba perdendo a motivação para a conversa. Esta é a situação que ocorre com frequência entre pais e filhos.

Os primeiros acreditam que os últimos nada têm a lhes ensinar e que não podem mudar suas opiniões. Eles ouvem pouco os filhos ou, se o fazem, é de forma questionadora, em uma posição impenetrável em relação ao conteúdo dos argumentos dos filhos. Essa situação é frequente com filhos adolescentes. Estamos enfrentando um dos erros mais frequentes nas relações pais-filhos: acreditar que com um discurso você pode mudar uma pessoa.

3. Deixe as crianças conversarems. Por meio do diálogo, pais e filhos se conhecem melhor, conhecem sobretudo suas respectivas opiniões e sua capacidade de verbalizar sentimentos, mas as informações obtidas na conversa nunca serão mais amplas e transcendentes do que as adquiridas na convivência.

Por isso, transmite e educa a convivência muito mais do que a verbalização dos valores que se pretende incutir. Por outro lado, todo diálogo deve conter a possibilidade de resposta. A predisposição para pegar no argumento do outro e admitir que pode não coincidir com o seu é uma das condições básicas para que um diálogo seja viável. Se você começar de diferentes planos de autoridade, não haverá diálogo.

4. Mostre segurança. A capacidade de diálogo baseia-se na autoconfiança de cada um dos interlocutores. É preciso ter em mente que a família é uma referência capital para a criança e o jovem: nela podem aprender a dialogar e, com esta capacidade, promover atitudes tão importantes quanto a tolerância, assertividade, habilidade dialética, capacidade de admitir erros e tolerar frustrações.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Diálogo em família, na categoria Diálogo e comunicação no local.


Vídeo: Cápsula 9 Dialogo en la familia (Outubro 2021).