Valores

11 coisas que nunca devemos proibir nossos filhos, mas banimos todos os dias


Sim, estabelecer limites e normas para as crianças é um dos pilares da educação. Eles precisam deles para crescer, aprender e interagir com seu meio ambiente de uma forma saudável.

Porém, devemos ter cuidado com o excesso de regras ou que estas vire uma lista enorme de coisas que eles não deveriam fazer. Na verdade, por incrível que pareça Nunca devemos proibir nossos filhos de fazer ou dizer essas coisas mundanas, e ainda assim fazemos. Fique atento, pois certas restrições podem deixar a criança insegura e retardada no aprendizado.

1- Cometa erros: Você gosta de ser repreendido e gritar quando comete erros? A criança também não, ainda mais quando está em fase de aprendizagem e ainda tem dificuldade de amarrar os sapatos, arrumar bem a cama ou guardar cada brinquedo no lugar. O importante é ajudá-los a melhorar a cada dia e dar-lhes o tempo e as orientações necessárias para que aprendam aos poucos a fazer tarefas que nos parecem simples, mas para eles um mundo.

2. Chore: Frases como "não chore" ou "pare de chorar imediatamente" apenas ensinam às crianças que chorar é ruim. Se toda vez que chorarem nós os repreendermos e até gritarmos, eles começarão a suprimir suas emoções, tentarão não mostrá-las ou externalizá-las e se tornarão adultos que não lidam bem com suas emoções. Não é melhor perguntar a ele por que ele está chorando e dar-lhe nosso apoio? Não é melhor abraçá-lo e fazê-lo se sentir amado?

3. Diga nãoApesar de ser criança e apesar de sermos nós que ditamos as regras e os nossos filhos nos obedecerem, não significa que a criança não seja apenas mais um membro da família com voz e voto. Frases como "nunca mais diga não para mim, aqui está o que eu digo, ponto final", tornam nossos filhos submissos e conformistas. Devemos deixar um espaço no qual a criança possa expressar o que quer ou não quer, o que quer ou não quer fazer.

4. Expresse sua opinião: Está de acordo com a proibição número 3. Com a desculpa de que são pequenos e ... "o que vão saber", não lhes deixamos espaço para exprimir os seus próprios pensamentos e desejos.

5. Ser inquieto, curioso e barulhento: Crianças correm, pulam, gritam e riem alto. As crianças são travessas, têm birra, desobedecem, ficam nervosas, têm muita energia, bisbilhotam, tentam, descobrem, erram ... Não são móveis de secretária ... São crianças! E assim, enfim, é assim que as crianças são felizes, fazendo barulho. Devemos ensiná-los a se comportar em cada lugar, mas, em última análise, não podemos obrigá-los a ficarem calados, quietos e sérios o tempo todo. Quando uma criança brinca e grita, ela fica feliz.

6- Comer sozinho: Com a desculpa de que vão manchar ou de que são muito novos, muitos pais tendem a alimentá-los sozinhos em idades em que as crianças já conseguem colocar um garfo ou colher na boca sem ajuda. É uma atitude superprotetora que não ajuda a criança a se desenvolver.

7. Tenha medo: Os medos na infância são normais. Na verdade, existem medos associados a cada idade, à medida que os filhos crescem, eles desenvolvem alguns medos e superam outros. Nunca devemos proibir as crianças de terem medo do escuro, dos cães, do médico, de ficarem sozinhas ou de estranhos. Não devemos fazer com que tenham vergonha de terem medos e devemos estar com eles e acompanhá-los para superá-los.

8. Tenha segredos: Todos nós temos segredos e embora os pais devam submeter os nossos filhos, como dizia a minha mãe, a uma "liberdade condicional", temos de respeitar a sua privacidade e o seu pequeno pedaço de vida privada. Na verdade, à medida que envelhecem, terão mais segredos, temos de nos certificar de não ultrapassar a linha que faz com que nossos filhos percam a confiança em nós ao lerem seus diários ou pressioná-los a nos contar tudo. E temos que deixá-los saber que podem nos dizer qualquer coisa, que sempre estaremos com eles e os apoiaremos.

9- Desenhar ou fazer artesanato: Já temos bastante trabalho para limpar o que a criança suja quando pinta, pinta, corta ou manipula com plasticina, certo? Bem, é um erro grave porque estaríamos restringindo sua criatividade e imaginação.

10. Pergunte: crianças ao longo da vida podem fazer dezenas, milhares, milhões de perguntas sobre qualquer coisa. Mesmo que tenham a resposta, eles perguntam. Essas questões podem ser classificadas em fáceis, difíceis, impossíveis e "glups", que são aquelas que nos fazem suar porque nem sabemos como lidar com elas. Bem, mesmo nesses casos não devemos ignorá-los, pedir que se calem ou não responder. Esta comunicação aberta, na qual respondemos, ainda que cansados, às suas perguntas, é a base para um forte vínculo entre pais e filhos.

11- Ser ganancioso: sim, parece estranho, ninguém deve ser ganancioso. Referimo-nos ao imperativo legal de muitos pais de forçar os filhos a compartilhar suas coisas a qualquer momento e em qualquer circunstância. Por que eles deveriam fazer isso? Sim, devemos ensiná-los a compartilhar, mas nunca forçá-los e muito menos tirar o que eles estão brincando para que outra criança possa brincar.

Você pode ler mais artigos semelhantes a 11 coisas que nunca devemos proibir nossos filhos, mas banimos todos os dias, na categoria Aprendizagem no local.


Vídeo: Bebê branquinho nasce em família negra (Dezembro 2021).