Valores

A crise da lactação de 6 meses


A crise de lactação também é conhecida como um botão de crescimento. É um momento específico do período da amamentação em que o bebê muda de comportamento durante a amamentação: ou fica bravo, nervoso ou até chora quando se oferece para comer, ou também pode ser jogado praticamente 24 horas por dia enganchado no seio da mãe , como se nunca estivesse satisfeito.

Durante a amamentação, até quatro crises de lactação. O último a aparece aos 6 meses, e muitas mães confundem com o início do desmame do bebê.

Uma crise de lactação pode acontecer por dois motivos:

1. Maturação do bebê.

2. Necessidade de aumentar a produção de leite (Já sabemos que a forma mais eficaz de fazer isso é sugando o bebê, ou seja, quanto mais mamar, mais leite a mãe vai produzir e vice-versa).

Esses momentos podem fazer a mãe se perguntar se ela está bem, se o bebê está com fome, se ela não tem leite suficiente ... O apoio de um profissional é importante se você tiver dúvidas.

As crises de lactação geralmente obedecem à regra 3-6: aparecer às 3 e 6 semanas de idade, e então aos 3 e 6 meses. Embora os bebês não sejam relógios, e sejam datas aproximadas. E, claro, dependendo do temperamento do bebê, eles não precisam se comportar todos da mesma forma. E é claro que um comportamento anormal do nosso pequeno nem sempre responde a algo fisiológico como a crise de lactação, ele pode ter algumas dores ... Por isso recomendamos na dúvida ir à parteira ou ao pediatra para regular eliminar qualquer problema médico se o choro do bebê continuar por vários dias.

Esta crise muitas vezes marca um grande ponto de viragem se a compreendermos mal. Geralmente coincide com a introdução da alimentação complementar. No entanto, essa crise não ocorre em todos os bebês, ou não é tão óbvia. Bebês com temperamento mais elevado podem viver por mais tempo.

Quando introduzimos novos alimentos, sabores, texturas na dieta do bebê, duas coisas podem acontecer:

- A nossa pequena fica fascinada com a novidade, e só quer a comida nova e assim rejeita o seio. Se a mãe oferecer a ele, ele pode ficar com raiva (até mesmo morder a mãe, e se ela tiver dentes causar muita dor e ferimentos).

- Ou há bebês que não sentem interesse pelo novo e preferem o seio materno.

Temos que lembrar qual deve ser a atitude da mãe, para não cair no erro:

1. Manter a calma diante da raiva, ou choro do bebê quando oferecemos o seio.

2. O peito é sempre oferecido antes da alimentação complementar (até 12 meses são bebês e sua dieta deve ser principalmente de leite), e não o contrário. O peito não deve ser a sobremesa, mas o prato principal.

3. Lembre-se disso crises são momentâneas, e eles sempre acontecem.

4. Não interprete que seu filho com purês, mingaus ou sólidos tem suas necessidades atendidas e por isso não quer mais peito. Só que a novidade chama a atenção para novas experiências culinárias. Você ainda precisa de grandes quantidades de leite.

5. Nem todos os bebês passam por essas crises.

6. Não force seu filho a mamar, oferece o baú. Mantenha muito contato com seu filho, para que ele sempre veja isso como uma opção.

7. Tente oferecer seu peito meio adormecido, ou dormindo se seu filho rejeitar totalmente a mama durante o dia. Procure o máximo de relaxamento possível para vocês dois.

8. Se você se sentir oprimida, angustiada ou tiver dúvidas, vá a grupos de amamentação, grupos de pais, à parteira. Não estás sozinha, e o que você vive, muitas outras mulheres viveram.

Você pode ler mais artigos semelhantes a A crise da lactação de 6 meses, na categoria Amamentação Presencial.


Vídeo: CLASE DE CONVULSIONES DR. ARELLANO-EPILEPSIAS NEONATALES (Outubro 2021).