Valores

A cidade sem cores. Histórias para educar em valores


Esta história infantil fala sobre a busca da felicidade, ensina as crianças que sorria e faça uma cara bonita para tornar o nosso dia um pouco mais feliz, enquanto a tristeza só gera mais tristeza.

Uma história que ensina o valor de um sorriso. Será que um simples sorriso pode trazer cor e alegria a um dia cinzento? Leia esta história para seu filho e descubra com ele o valor de um sorriso.

Quando a pequena Violeta se levantou naquela manhã, viu com terror que seu quarto estava sem cores.

- O que aconteceu? - a garota se perguntou, verificando com alívio que seus cabelos ainda estavam ruivos como fogo e que seu pijama ainda era feito de quadrados verdes.

Violeta olhou pela janela e observou horrorizada que não só o seu quarto, A cidade inteira ficou cinza e feia! Pronta para saber o que havia acontecido, Violeta, vestida de mil cores, saiu para a rua.

Pouco depois de sair de casa, ele conheceu um velho escuro como a noite tirando um cachorro tão branco que se confundia com nada. Ele decidiu perguntar a ela se ela sabia por que as cores haviam deixado a cidade.

- Bem, está claro. As pessoas estão tristes e em um mundo triste não há lugar para cores.

E ele saiu com sua escuridão e sua tristeza. Pouco depois, ele encontrou uma mulher cinza puxando um carrinho manchado e decidiu perguntar a ela sobre a tristeza no mundo.

- Bem, está claro. As pessoas estão tristes porque nossas cores acabaram.

- Mas se são as cores que saíram por causa da tristeza do mundo ...

A mulher encolheu os ombros com uma expressão de não entender nada e continuou caminhando. Naquele momento, um esquilo descolorido passou.

- Esquilo, você sabe onde estão as cores? Há quem diga que foi embora porque o mundo está triste, mas há quem diga que é o mundo que se entristeceu por falta de cores.

O esquilo descolorido parou de comer sua castanha esbranquiçada, olhou com curiosidade para Violeta e exclamou:

Sem cores não há alegria e sem alegria não há cores. Busque a alegria e você encontrará as cores. Procure as cores e você encontrará alegria.

Violeta ficou pensativa por um momento. Que coisa extraordinária aquele esquilo desbotado inteligente acabara de dizer!

A menina, cada vez mais determinada a recuperar a alegria e as cores, decidiu visitar o avô Filomeno. O avô Filomeno era um pintor amador e também a pessoa mais alegre que Violeta já conhecera. Como ela, vovô Filomeno tinha a barba ruiva como fogo e um sorriso tão grande e rosado como uma fatia de melancia. Ele com certeza sabia como consertar aquela bagunça!

- Pois é claro, Violeta: Temos que pintar alegria com nossas cores.

- Mas isso, como é feito?

- Muito fácil, Violeta. Pense em algo que te faz feliz ...

- Jogue bola em um campo de girassóis.

- Perfeito, então vamos lá ...

Violeta e vovô Filomeno pintaram um lindo campo de girassóis nas paredes cinzentas da escola. Um policial incolor que passava queria chamar a atenção deles, mas o vovô Filomeno com seu sorriso de melancia perguntou-lhe alegremente:

- Senhor Polícia, diga-nos algo que o faça feliz ...

- Feliz? Um sofá confortável ao lado da lareira onde você pode ler um bom romance policial.

E foi assim que Violeta, o vovô Filomeno e aquele policial incolor começaram a pintar uma enorme lareira com poltrona xadrez. Naquele momento uma mulher muito tensa e sem pingo de cor se aproximou deles com uma cara de zangada, mas o vovô Filomeno com seu sorriso de melancia perguntou feliz:

- Senhora desbotada, conte-nos algo que a deixe muito feliz ...

- Feliz? Nestes tempos cinzentos? Deixe-me pensar ... uma padaria cheia de bolinhos de chocolate.

Pouco a pouco, todos os habitantes da cidade estavam se juntando a esse grupo e enchendo a cidade com murais cheios de coisas maravilhosas, que todos eles os deixaram muito felizes. Quando eles terminaram, a cidade inteira estava cheia de cores. Todos sorriam alegremente para aquelas paredes cheias de laranjas brilhantes, azuis marinho e verdes profundos. Eles estavam felizes novamente e estavam cheios de cores novamente.

Depois da aventura, o avô Filomeno acompanhou Violeta até sua casa. Mas quando estavam para se despedir, Violeta teve uma grande dúvida:

- Vovô, e se as cores sumirem de novo um dia?

- Se eles saírem teremos que sorrir novamente. Só então os faremos voltar ...

E com seu sorriso de melancia, o vovô Filomeno deu meia-volta e seguiu para casa.

FINALIZAR

1. O que Violeta percebeu ao acordar uma manhã?

2. Como ela viu as pessoas nas ruas da cidade sem cores?

3. A quem Violeta foi pedir conselhos para que a cidade voltasse a ter cores?

4. O que Violeta fez para que a cidade recuperasse suas cores?

5. O que devemos fazer se um dia nossa cidade perder as cores?

6. Você gostou da história? Porque?

7. O que você aprendeu com essa história?

Você pode ler mais artigos semelhantes a A cidade sem cores. Histórias para educar em valores, na categoria Contos infantis no site.


Vídeo: Plany dla Waliców. Pamięć miejsca we współczesnym mieście (Outubro 2021).