Valores

Alergias alimentares em crianças. Entrevista com María Niella


Aproximadamente, 5% das crianças menores de 3 anos são alérgicas a um ou mais alimentos. Os mais comuns são leite, ovos, soja, trigo, peixe, amendoim e frutas vermelhas.

No entanto, quase todas as proteínas da dieta podem causar uma reação alérgica. As alergias alimentares ocorrem quando o sistema imunológico, que ajuda a nos proteger contra infecções ao identificar e atacar os vírus e bactérias que causam doenças, responde erroneamente a uma proteína alimentar, causando inflamação e danos.

Maria nella, presidente da Histasan, Associação de Alergias Alimentares de Madrid (Espanha), Ele nos fala sobre o surgimento de alergias alimentares em crianças, sobre os alimentos que mais causam alergias e sobre novos tratamentos contra essa sensibilização.

Quais são as alergias alimentares que mais afetam as crianças?
Em primeiro lugar, deve ficar claro que dos três nutrientes básicos, carboidratos, gorduras e proteínas, são estes os responsáveis ​​pelas alergias alimentares. Na Espanha, as principais causas de reações alérgicas são leite, ovos e peixes na infância e frutas, mariscos e nozes na idade adulta.

Infelizmente, qualquer proteína animal ou vegetal é suscetível a desencadear reações alérgicas. Estudos recentes documentaram reações alérgicas aos carboidratos, não apenas às proteínas.

Quando uma criança é alérgica a algum alimento? Quais são os sintomas?
Os termos intolerância e alergia são frequentemente confundidos. No caso de pessoas intolerantes e celíacos, estamos falando de doenças digestivas. No caso das alergias alimentares, o culpado é o sistema imunológico, que responde de forma anormal aos supostos agressores (proteínas).

A confusão geralmente ocorre porque entre os sintomas das alergias alimentares estão os sintomas gastrointestinais: dor, inchaço, vômito, diarreia, náusea ... semelhantes aos que ocorrem no caso das intolerâncias, embora existam outros mais específicos, como ODS (alergia oral síndrome) e angioedema. No entanto, quem sofre de alergia alimentar geralmente apresenta outros tipos de sintomas:

- Cutâneo: urticária, eczema, DA (dermatite atópica);

- Respiratório: rinite, congestão, asma, broncoespasmo e edema de glote.

- Choque anafilático: é o mais sério, embora felizmente o menos frequente. O choque anafilático produz uma falha multissistêmica com dois ou mais dos sintomas já mencionados. Nos casos mais graves, ocorre queda da pressão arterial, arritmia, desmaios e insuficiência cardiorrespiratória que compromete os sinais vitais, tornando-se letal.

Em todo caso, somente um alergista nos dará o diagnóstico definitivo. As intolerâncias são crônicas por natureza, mas não são fatais, enquanto as alergias podem ser superadas, mas são fatais.

Em que se baseia o tratamento de alergia alimentar?
Quanto ao tratamento das alergias alimentares, podemos considerar, por um lado, o tratamento dos sintomas (leves com anti-histamínicos, corticosteróides e broncodilatadores e graves com adrenalina injetável) e, por outro, o das causas. As proteínas são responsáveis ​​pelas alergias alimentares e, hoje, a única forma de evitá-las é eliminando à risca os alimentos que as causam.

São realizadas revisões periódicas para avaliar os níveis de tolerância e a evolução da dieta de eliminação (eliminamos a causa e a memória alérgica que nosso corpo gera). Nos casos em que se considera que a alergia pode ter sucesso e ser 'ultrapassada', são realizados testes de provocação ou exposição controlada (sempre em ambiente hospitalar).

Atualmente, os melhores resultados nesse sentido estão ocorrendo entre os alérgicos ao leite. Algumas vacinas também estão sendo testadas para alimentos específicos, embora a 'vacina total' ainda esteja muito longe.

Para mais informacao:
- Associação de Alergias Alimentares de MadridHISTASAN.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Alergias alimentares em crianças. Entrevista com María Niella, na categoria de Alergias e Intolerâncias no Local.


Vídeo: ALERGIA ALIMENTAR EM CRIANÇAS (Novembro 2021).