Bond - anexo

Ser apegado demais é ruim para bebês e crianças, sim ou não?


O apego é necessário para a sobrevivência e o desenvolvimento. É um vínculo afetivo que envolve falar de amor, segurança, necessidade de contato, confiança, união e dependência? Alguns pais costumam se perguntar se devem construir uma relação excessivamente apegada às crianças e bebês são prejudiciais para sua educação. No entanto, não é uma questão de quanto apego damos aos nossos filhos, mas esse apego seguro.

Ao falar sobre apego, a palavra 'dependência' freqüentemente surge. Quando falamos em 'dependência', referimo-nos à necessidade de alguém estar ao lado da criança para que descubra o que está à sua volta. Que haja um companheiro. Saber que não pode haver uma dependência absoluta da criança em relação a essa figura, já que um dos erros básicos da educação pode ser cometido: a superproteção. Se isso acontecer, eA criança não conseguirá desenvolver a autonomia que é suposta.

Para que isso não aconteça, os pais, sendo as principais figuras de apego da criança, devem ter grande capacidade mediadora para proporcionar à criança maior ou menor segurança emocional que será essencial para o bom desenvolvimento de sua personalidade e independência.

Essa capacidade dos pais de darem as 'respostas' de que a criança precisa determinará sua segurança ou ansiedade. Deste modo:

- Se os pais forem bem-sucedidos nessa empreitada, o pequeno se sentirá aceito e protegido. A partir desse momento, a criança vai explorar o mundo com a segurança necessária para adquirir as capacidades necessárias para o futuro.

- Se as respostas não forem positivas, a criança não terá uma ferramenta básica saber gerir nas relações sociais que o acompanharão ao longo da sua vida.

O tipo de vínculo que os filhos desenvolvem depende da forma como os pais os abordam desde o momento em que nascem: conhecendo-os, descobrindo-os, cuidando cada vez mais deles.

Para descobrir que tipos de estilos de apego existem, examinamos o experimento denominado: 'A situação estranha' dirigido por Mary Ainsworth, onde se tratava de colocar a criança em uma situação de certa tensão. Essa é a forma padronizada mais comum de avaliar o tipo de apego que os pequenos têm com seus cuidadores. Desta forma, podemos apreciar:

- O link seguro
Os pais são a base da segurança quando a criança está angustiada. Eles são sensíveis às necessidades da criança e, portanto, a criança tem a confiança de que suas figuras de apego estarão disponíveis e responderão à adversidade.

A confiança prevalece apesar das dúvidas e desconforto. As crianças que vivenciam esse tipo de vínculo durante o primeiro ano expressam afetos mais positivos e comportamentos menos agressivos e evitativos em relação a outros adultos menos conhecidos do que aqueles que são inseguros.

- O estilo inseguro
A criança mostra um aparente desinteresse e distanciamento na presença de seus cuidadores durante os períodos de angústia: eles não se importam de estar separados dos pais. Se esse tipo de vínculo ocorre durante o primeiro ano de vida do bebê, a criança sente pouca confiança em ser ajudada e prefere ficar longe dos outros. A confiança no link foi perdida ou não pôde ser restaurada de maneira ideal. A criança ignora a figura do cuidador principal quando presente.

- O vínculo ansioso ambivalente (desorientado), que também seria inseguro
Responde à separação com intensa angústia e mistura comportamentos de apego com expressões de raiva, protesto e resistência. Quando a figura de apego aparece após a separação, a criança não se aproxima, ela se sente confusa e desorientada.

Quando falamos de um vínculo de apego natural e desejável que é bom para o desenvolvimento e sobrevivência da criança queremos dizer o estilo de anexo seguro. Portanto, devemos deixar de lado o chamado apego ansioso que só causa sofrimento e insegurança.

Deste modo, não depende tanto de quanto apego temos com nossos filhos (que isso é demais ou insuficiente) e sim da qualidade do vínculo de apego que se forma entre pais e filhos. Portanto, devemos sempre promover o tipo de apego seguro para ajudar nossos filhos a crescerem felizes.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Ser apegado demais é ruim para bebês e crianças, sim ou não?, na categoria Link - anexo no local.


Vídeo: Dani Russo - Jeito Malicioso KondZilla (Dezembro 2021).