Teatro

'Uma visita ao museu'. Peça para crianças sobre democracia


Peças curtas são ótimas para fazer com alunos do ensino fundamental e até mesmo para fazer em casa quando a família visita. Os mais pequenos se divertem, exibem suas habilidades de atuação e, se um roteiro como o que mostramos a vocês for escolhido como roteiro, eles também lhes ensinarão uma lição valiosa. Nesta ocasião, preparamos 'Uma visita ao museu', um peça sobre democracia, para que meninos e meninas saibam o que é e quão importante é. Com certeza se tornará seu favorito!

O roteiro dessa divertida peça foi elaborado para ser feito com alunos do ensino fundamental. Como você verá, ele foi criado para alguns personagens, mas sempre pode ser adaptado para incluir quantos mais você quiser. Com este trabalho pretende-se mostre às crianças o que é a democracia e por que é tão necessário em nossa sociedade hoje. Antes de começar com as redações, leia o roteiro completo para seus alunos e responda a quaisquer perguntas que eles possam ter sobre este conceito.

Descrição do Trabalho:o professor avisa aos alunos que para iniciar o curso eles vão visitar um museu. Eles têm duas opções, ir ao museu de arte ou ao museu de ciências. Portanto, o professor dá uma escolha às crianças. Claro, alguns vão querer uma coisa e outros, outra. Como fazer o que é justo para todos? Você está certo! Um voto com cédulas incluídas!

Personagens: Alba, Daniel, Sara, Mateo, Sofía e Marcos, no papel de professor. Aproveite para representar a peça com toda a turma e adapte o roteiro para que cada um tenha seu papel. Diversão garantida!

Local de ação em que a peça se passa: uma escola.

Material necessário para a encenação: papel, caneta, caixa e vontade de aprender coisas novas.

A cortina sobe. As crianças estão na aula ouvindo o que o professor Marcos fala para elas.

Frames: Bom Dia pessoal. Como foi o fim de semana

Todos: (murmúrios são ouvidos).

Frames: Eu tenho uma surpresa para você. Na próxima semana iremos juntos a um museu.

Todos: Que bom! Que museu é esse?

Frames: Isso é exatamente o que eu ia dizer a você agora. Podemos ir ao museu de ciências ou ao museu de arte.

Nascer do sol: E não podemos ir para os dois?

Daniel: Sim! Seria ótimo ir aos dois museus.

Frames: Eu sei, mas não temos tempo, temos que escolher apenas um.

Sara: Bem, vamos ao de arte, é o que mais gostamos.

Mateus: (com a cara séria) Nada disso, vamos ao museu de ciências, que é o meu favorito.

Sofia: (com uma cara indecisa) Bem, eu gosto dos dois, não sei qual escolher.

Frames: Você terá que pensar sobre isso. É uma decisão que deve ser tomada entre todos nós. Está quase na hora do recreio, fale sobre isso lá e depois me conte na aula.

A campainha toca. A cortina fecha.

A cortina sobe. A campainha toca novamente e as crianças voltam para a aula.

Frames: (Ele vai para a aula) Bem? Você já tomou uma decisão?

Nascer do sol:De jeito nenhum! Cada um de nós deseja uma coisa.

Sofia: Achei que gostaria de ver as pinturas do museu de arte.

Daniel: Eu também gostaria, mas prefiro mesmo ir para a ciência.

Frames: Vejo que você não concorda. Vamos ter que votar para ver qual museu será escolhido.

Sara: Um voto? Como quando elegemos o delegado da classe?

Frames: Isso é. É a forma mais democrática que existe. Aliás, você sabe o que é democracia?

Todos: Não!

Frames: (pega o dicionário e lê) Democracia é: 'um sistema político que defende a soberania do povo e o direito do povo de escolher e controlar seus governantes'.

Sofia: Eu não entendi nada.

Frames: Não é de se admirar, é uma definição um tanto complexa. O que podemos aprender com isso é que quando alguns querem uma coisa e outros outras, você tem que votar para ver qual é a maioria.

Mateus: Como vamos escolher o museu?

Frames: Esse é Mateo. Vou preparar uma caixa e todos vão escrever em um pedaço de papel o nome do museu que desejam ir. Em seguida, ele vai colocá-lo na caixa e, uma vez que todos os papéis estiverem dentro, vamos lê-los para ver qual o museu escolhido.

Sara: Você tem que nomear o papel?

Frames: Muito boa pergunta, Sara. Não, você não precisa colocar o nome. Os votos são anônimos!

Daniel: Quando votamos?

Frames: Amanhã se estiver tudo bem para você, quem não souber que museu construir terá tempo para pensar a respeito.

O sino toca indicando o fim das aulas. As crianças se levantam para ir para casa. A cortina fecha

A cortina sobe. As crianças estão de volta à aula. O professor em sua mesa com a urna de votação pronta.

Nascer do sol: Já temos os papéis prontos. Podemos colocar o museu que queremos agora?

Frames: Sim claro. Ao terminar, você dobra o papel e o coloca na caixa que tenho em minha mesa.

Daniel: (Ele é o primeiro a terminar) Já escrevi. (Ele se levanta e coloca seu voto na caixa).

Sara: Eu também terminei. (Ele faz o mesmo que seu parceiro).

Um a um, todos os alunos se levantam para deixar seus votos na urna.

Frames: Muito bons rapazes, acho que todos os votos chegaram. Agora você tem que contá-los e anotar os resultados no quadro. Qualquer voluntário?

Mateus: (levanta a mão rapidamente) Yo!

Frames: Vá em frente, Mateo. Vou ler os votos em voz alta e você os anota no quadro.

Mateus: (levanta-se e pega o giz) Estou pronto.

Frames: (lê os votos um a um enquanto Mateo os escreve no quadro, ao terminar diz) Quantos votos há para o museu de ciências?

Mateus: (olha para o quadro) Bem, há 15 votos.

Frames: E pela arte?

Sofia: (fala sem levantar a mão) São 14 votos!

Frames: Isso significa que você ganhou ...

Todos: O museu da ciência!

Nascer do sol: Nossa, eu queria ir para o outro.

Frames: Eu sei, mas a votação é assim.

Nascer do sol: Bem, eu também gosto do museu de ciências.

Sara: Claro que sim, além disso, o importante é que podemos começar juntos.

As crianças continuam falando sobre sua visita ao museu de ciências.

A cortina fecha. Fim da peça. É hora de bater palmas e se levantar! Os atores e a equipe merecem.

Você pode ler mais artigos semelhantes a 'Uma visita ao museu'. Peça para crianças sobre democracia, na categoria Teatro no local.


Vídeo: O que são os Três Poderes. Política Sem Mistérios, por Milton Monti (Novembro 2021).