Ficar grávida

Cuidando de uma mulher após sofrer uma curetagem em um aborto espontâneo


Depois de sofrer uma curetagem de um aborto espontâneo, as mulheres sempre têm a mesma dúvida: quando posso engravidar novamente? Você precisa de um tempo de recuperação e cuidados especiais após passar por essa intervenção cirúrgica que pode variar dependendo das diferentes circunstâncias físicas da mulher. Explicamos o que é uma curetagem, quando é feita, quais os riscos que acarreta, o que fazer para ter uma recuperação rápida e como isso afeta a sua fertilidade.

A curetagem, instrumento cirúrgico, dá nome ao procedimento de raspagem do útero ou curetagem do útero, a fim de extrair a camada mais profunda, especificamente o endométrio. No entanto, muitas vezes se fala em raspagem, mas também existe a técnica de aspirar.É realizado em situações de distúrbios uterinos ou para retirada de restos placentários em casos de aborto.

Existem diferentes graus, pode variar desde uma biópsia endocervical (ginecológica), na qual apenas uma pequena amostra uterina é retirada para poder avaliar o estudo porque há períodos irregulares e / ou coloração ou sangramento na menopausa, até uma curetagem uterina com uma raspagem completa para um aborto ou para o resto da placenta após o parto. O objetivo da curetagem é frequentemente prevenir sangramento e prevenir infecções que se originam dentro do útero.

Dependendo do procedimento, será recomendado desde nenhum tipo de sedação até anestesia em diferentes graus, com o consequente acompanhamento ambulatorial ou em consulta até internação em situações mais complexas. A duração média do procedimento é de 15 minutos.

Como é normal, dependendo do procedimento utilizado, a indicação, o grau de raspagem ou o nível de anestesia, convalescença e cuidados podem variar.

- Para casos simples de curetagem endocervical ginecológica, recomenda-se apenas repouso relativo de 24 horas, cuidados com as medidas de higiene e hidratação correta. O uso de analgésicos pode ser prescrito em caso de desconforto significativo.

- ele tempo médio de recuperação, na curetagem obstétrica, é variável dependendo da evolução e o repouso relativo costuma ser recomendado para a paciente, a fim de evitar possíveis sangramentos ou infecções uterinas, como complicações mais comuns. É muito normal sentir desconforto hoje em dia, geralmente contrações uterinas e cólicas, o que pode ser motivo para consultar o ginecologista para que ele avalie a possibilidade de prescrever medicamentos para aliviá-los.

- O cicatrização É um momento a ter em conta, pois podem formar-se aderências na parede uterina, o que pode levar a variações no ciclo menstrual habitual e, consequentemente, alterações no nível de fertilidade. É uma das complicações mais raras, mas é possível.

- É aconselhável não fazer esforços nos primeiros dias, após 72 horas você pode levar uma vida normal, evitando exercícios extremos. Durante este período, é normal que haja algum pequeno sangramento, que deve diminuir, e cólicas, que vão desaparecendo gradualmente.

- Nos casos em que a anestesia foi necessária, Entre os atendimentos, após a alta do hospital ou clínica particular, recomenda-se que a paciente esteja acompanhada em todos os momentos, devido ao risco de sonolência que ela possa apresentar.

- O que não se recomenda, em hipótese alguma, é o uso de absorvente interno por um mês, duchas higiênicas ou banhos de imersão e relação sexual por 10 dias e sempre dependendo da evolução.

- Deve-se ter em mente que a próxima menstruação após a curetagem pode ser um pouco mais dolorosa do que o normal, também pode incluir pequenos coágulos, portanto, algumas mulheres podem acreditar que estão fazendo um novo aborto, mas na verdade são restos de tecido que revestiu o útero no mês anterior. Outra circunstância que pode ser assustadora e que pode ocorrer é o atraso do novo período.

Como no caso dos cuidados, dependendo do tipo de curetagem e das circunstâncias, a recomendação que médicos e ginecologistas podem fazer às mulheres ao tentarem engravidar novamente varia.

No caso da curetagem após o aborto, a relação sexual não é recomendada nos próximos 10 dias (se for sem camisinha pode causar infecção) e, em geral, a gravidez deve ser evitada nos 2 meses seguintes, para que pelo menos a regra volte à operação normal.

A mulher precisa recuperar seu corpo, mas também tem que fazer isso do ponto de vista emocional e pegar leve. Se começarmos com a parte física, você deve prestar atenção especial a alguns sinais de alerta que podem ocorrer após uma curetagem:

- sim os sangramentos não diminuem. Mais especificamente, se você precisar trocar de roupa a cada hora devido a sangramento excessivo.

- sim a febre aparece.

- Se o cólicas abdominais e sua dor não diminui de intensidade.

- Se você notar que você corrimento vaginal cheira mal.

Por outro lado, este tipo de intervenção apresenta alguns inconvenientes que podem, em alguns casos, atrasar ou dificultar a concepção de um bebê.

- Risco de perfuração uterina.

- O processo hormonal natural é suprimido, o que pode ajudar a lidar com o luto de maneira mais eficaz.

- Cicatrizes que podem influenciar a gravidez futura.

- O desenvolvimento de sinéquias ("fios" que unem as paredes uterinas), que reduzem o espaço uterino, causam problemas de fertilidade.

- Problemas e efeitos colaterais relacionados à anestesia.

- Risco de infecções.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Cuidando da mulher após sofrer curetagem por aborto espontâneo, na categoria Ficar grávida no local.


Vídeo: Aborto Retido - Patricia Amorim (Novembro 2021).